planejamento estratégico de comunicacao
Comunicação Integrada

O que é a comunicação integrada e estratégica?

Por: Isabela Pimentel28/jun/2021
Compartilhe:

Comunicação integrada e estratégica ainda é algo distante das empresas brasileiras e há muita confusão sobre o tema. Vamos mudar essa visão?

A comunicação integrada é aquela capaz de transmitir de forma clara a todos os públicos de interesse da empresa o que ela produz, quem ela é e no que acredita. Um dos seus maiores desafios é alinhar as mensagens de conteúdo institucional e mercadológico.

Para quê investir em Comunicação Integrada?

A Comunicação corporativa tem sido usada como uma das principais ferramentas para a construção da reputação das empresas. Alinhar missão, visão e valores à estratégia da firma,  para construir uma imagem sólida perante todos os seus públicos de interesse é a principal tarefa do gestor da área e seus colaboradores.

Com a presença cada vez mais forte das redes sociais, não existe comunicação unilateral e isolada. Uma denúncia de trabalho escravo em Singapura pode afetar o valor da empresa na bolsa americana. Como fazer uma comunicação realmente integrada, respeitando a especificidade dos públicos e atendendo suas expectativas?

E assim, o valor  de uma empresa não é apenas seu patrimônio físico ou econômico. Vivemos a “economia da reputação”, na qual vai ficar na memória e com uma boa reputação a empresa que souber se comunicar de forma eficaz com seus públicos estratégicos.

Pra quê investir em Comunicação Integrada?

Manter a coerência entre discurso e prática, agir de acordo com sua missão e seguir seus princípios são algumas formas de a empresa manter sua reputação no mercado.  Para se comunicar de forma plena, a empresa precisa encarar a comunicação em uma perspectiva mais integrada.

Mais que uma articulação de esforços, a comunicação integrada é uma filosofia que guia o cotidiano. Os públicos, cada vez mais complexos e atuantes, querem fazer parte dos processos de comunicação interna, saber de todas as informações, investimentos, parcerias e tudo sobre a empresa. E o que aconteceria se um colaborador descobre que sua empresa passará por um processo de fusão através da imprensa? Provavelmente, ele pensará que não faz parte das estratégias comunicativas e que, portanto, não precisa ser informado.

Ao adotar a perspectiva da comunicação integrada, um empresa deve abraçar o desafio e o esforço de mapear todos os seus públicos e estar disposta a entender as especificidades dos contextos de recepção das mensagens e todos os elementos que compõe a chamada cultura organizacional. De que vale produzir um mesmo texto e adaptá-lo para diversas mídias, achando que isso é comunicar de maneira integrada?

Comunicação integrada vai além e apresenta-se como uma filosofia e conjunto de ações capazes de incrementar as relações organizacionais em nível interno, mercadológico e institucional, ajudando as organizações a cumprir sua missão e atingir suas metas. Até quando agir de forma fragmentada?

Dê adeus à antiga comunicação linear, fragmentada  e abra a mente dos executivos da sua empresa para a Comunicação Integrada.

Conheça as principais razões para investir nela:

1- Ao articular todos os esforços, permite que, mesmo em diferentes mídias, as mensagens estratégicas contenham o mesmo espírito;

2- Ao realizar um mapeamento dos públicos antes do planejamento das ações, facilita a produção de conteúdos focados e eficazes;

3-  Ao reconhecer a especificidade de cada um dos elos do processo comunicativo, encara a empresa sob uma perspectiva holística.

4- A comunicação passa a ser vista como um processo dinâmico e elemento fundamental de uma boa gestão.

Visão clássica: Kunsch

Como conversamos, uma das visões clássicas da Comunicação Integrada é o composto criado pela professora Margarida Kunsch, que se divide em :

  1. Comunicação Institucional;
  2. Comunicação Interna;
  3. Comunicação Mercadológica;
  4. Comunicação Administrativa

NESSE MODELO PROPOSTO ACIMA, PERGUNTO A  VOCÊ: ONDE ENTRARIAM AS REDES SOCIAIS E A GESTÃO DE CRISE, POR EXEMPLO? SÃO TEMAS QUE ENVOLVEM OS FUNCIONÁRIOS, IMPRENSA E MUITOS OUTROS STAKEHOLDERS, INDO MUITO ALÉM DE CAIXINHAS SEPARADAS.

É hora de pensar fora das caixinhas!

Para que você comece a superar essa dicotomia e a pensar fora das caixinhas, vou te mostrar um novo modelo bem bacana e atual:  o composto das Relações Públicas Plenas (RPP), concebido pelo professor Manoel Marcondes Neto.


metodologia dos 4R pode ser utilizada tanto para diagnóstico das práticas  de comunicação da sua empresa, quanto para criação de novos planos.

1.  Reconhecimento

O primeiro R é o de reconhecimento, definido como o “Conjunto de práticas que levam um nome, causa, organização, produto ou campanha  a adotarem personalidade própria.  É a propriedade de um ente (individuo, causa, marca ou organização) ser identificado por seus públicos de interesse, ditos stakeholders, como distinto, único e assim, ser reconhecido pelo conjunto maior desses públicos, a sociedade”.

As marcas podem investir em 4 estratégias para reforçar o reconhecimento:

Estabelecimento de uma identidade corporativa, gestão da marca (branding), construção da imagem da marca e propaganda institucional.

2.  Relacionamento

Vamos agora ao segundo R, de relacionamento, que é definido por  Marcondes como “Assunto específico que demanda gestão especializada (…) pois não raro há interesses antagônicos entre dois ou mais grupos reunidos sob a égide , ou influência, de uma mesma organização”. (Marcondes, p.50).

  • Relacionamento com o público interno;
  • Atendimento ao público externo;
  • Relacionamento com os clientes (customer relationship);
  • Ouvidoria;
  • Mediação de conflitos;
  • Comunidades circunvizinhas.

3.  Relevância

O terceiro R é o de relevância, que segundo Marcondes, “Uma vez obtida, ela  será algo que se manterá com, além de atitudes, comunicação institucional cuidadosamente planejada. Destacar-se na paisagem, tornar-se diferente, distinto, acima da concorrência, exigirá esforços consideráveis e permanentes”.

Ele dá dicas de como a empresa pode alcançar relevância perante seus públicos de interesse, os stakeholders, são elas:

Pesquisa de opinião;

Patrocínio;

Eventos;

Marketing Social.

4. Reputação

O quarto R é a reputação. Ela existe como uma imagem que se forma na mente e se projeta na palavra de quem olha para a organização, percebendo-a, faça a mesma esforços de marketing e Relações Públicas ou não.

São formas da empresa reconhecer sua reputação realizar  estudo dos públicos, investir em Comunicação Institucional, Divulgação e ter uma política de  Gestão de crises de imagem pública.

Esperamos que tenha gostado desse conteúdo especial!

Conheça mais sobre comunicação integrada em nosso curso de Formação Completa.

Texto: Isabela Pimentel 
*Jornalista, Historiadora e  Especialista em Comunicação Integrada
Imagem: Divulgação

Você também pode gostar de:

Newsletter

Receba os cases, notícias e novidades em seu e-mail.

Materiais Educativos

A partir da nossa expertise em Planejamento de Comunicação, Estratégia e Gestão de Projetos, desenvolvemos diversos materiais educativos para sua empresa.

Acompanhe nossos materiais educativos