comunicacao-interna
Comunicação Interna

Ainda existe uma comunicação interna?

Por: Isabela Pimentel13/jun/2016
Compartilhe:

Muito se fala, nas reuniões das equipes de comunicação: “ah, essa pauta é só para a comunicação interna”. Mas, tem tempos de mídias sociais, em que qualquer colaborador pode fotografar uma página do jornal da empresa, pode-se assegurar que uma mensagem só será divulgada “dentro de casa”?

Aí é que entram em cena duas questões:  por que quando se trata de um assunto sensível a empresa só quer avisar aos funcionários? Onde está a transparência e relacionamento com os stakeholders, como a mídia?

O segundo ponto é: por qual razãi não fazer uma campanha de comunicação sinérgica, onde haja uma comunicação do tema sensível com o colaborador , e em paralelo, os demais stakeholders (acionistas, terceirizados e etc)?

Neste mundo em que todo colaborador tem o papel de vigilância e a capacidade de “denunciar’, pelas redes sociais, fendas e erros na cultura corporativa, faz sentido falar que algo, com toda certeza, será dito apenas internamente?

Acreditar nessa teoria de que a comunicação interna não vai ultrapassar muros é negar os demais papéis sociais que o colaborador tem, além do de funcionário e fechar os olhos para o cenário de multiplataformas para troca de mensagens e conteúdos.

Então, que termo usar?  Que caminhos seguir? Uma dica é criar a cultura da transparência. Se a empresa vai fazer demissões, passar por um processo de fusão ou aquisição, seja franco com o funcionário, sabendo que este mesmo funcionário é embaixador da marca e vai levar essa mensagem consigo para outros círculos sociais além da empresa.

Quando digo que “comunicação interna” é um termo que não reflete mais a complexidade das trocas de informação entre empresa e colaborador, prefiro adotar o termo “comunicação eficiente com funcionários”.

O funcionário, nesta visão, é sujeito ativo, embaixador da marca, mensageiro,construtor e desconstrutor da mensagem que ele recebe e que obviamente, será multiplicada tanto nas mídias corporativas quanto em outras existentes.

Além da comunicação interna

Não estou dizendo que não deve haver mensagens apenas destinadas ao colaborador, como é o caso de conteúdos sobre recursos humanos, informações entre setores, projetos e etc.

O que não pode haver é a falsa expectativa de que falando “apenas” com o funcionário, “nas internas”, se evitará que um tema chegue à imprensa, ou ainda, que falando apenas com stakeholders, o funcionário não irá desconfiar e descobrir.

As empresas não tem mais muros. Se a empresa fala uma mensagem cor de rosa, o funcionário tem todo poder, capacidade e autonomia de, através de suas fontes de consulta, leituras e visão crítica, descobrir, por outros meios, a realidade da empresa, até mesmo pela imprensa.

O que deve ditar o conteúdo não é o maniqueísmo e dualismo de “interno” e “externo” na comunicação corporativa: deve-se fomentar a transparência e sinceridade, com todos os públicos e ter a sensibilidade de um maestro para orquestrar as ações em tempos sensíveis, para que nenhum público seja esquecido.

Quer saber mais sobre planejamento de comunicação interna?

Assista mais de 200 vídeos em nosso canal do Youtube sobre planejamento de comunicação. Aproveite para se tornar um comunicador mais estratégico!

Confira também 10 livros essenciais sobre comunicação integrada.

Então, se quiser se aprofundar ainda mais e adquirir conhecimentos bem estruturados sobre como planejar, gerir e monitorar a comunicação digital, conheça nossa FORMAÇÃO COMPLETA EM COMUNICAÇÃO INTEGRADA, a única no mercado.

Isabela Pimentel

Texto: Isabela Pimentel
*Jornalista e  Especialista em Comunicação Integrada
Imagem: Divulgação

Você também pode gostar de:

Newsletter

Receba os cases, notícias e novidades em seu e-mail.

Materiais Educativos

A partir da nossa expertise em Planejamento de Comunicação, Estratégia e Gestão de Projetos, desenvolvemos diversos materiais educativos para sua empresa.

Acompanhe nossos materiais educativos